Informações sobre tipos de extintor: Devido ao alto índice de não conformidades por parte das empresas certificadas, o Inmetro decidiu mudar o programa de avaliação da conformidade de extintor de incêndio, passando a utilizar o mecanismo de Declaração do Fornecedor, procedimento pelo qual um fornecedor dá garantia escrita de que um produto, processo ou serviço está em conformidade com requisitos especificados.

A declaração de conformidade feita pelo fornecedor será sucedida por um registro feito pelo Inmetro, tendo este maior poder de acompanhamento das empresas registradas e dos produtos por ela fornecidos.

Esse mecanismo representa uma intervenção menos onerosa nas relações de consumo, e, também, mais ágil no atendimento das demandas da sociedade por Avaliação da Conformidade.

Cuidados que devem ser tomados em relação a manutenção do extintores

  • Os extintores de gás carbônico devem ser inspecionados semestralmente. Os demais, anualmente;
  • Quando o extintor de incêndio estiver submetido à ação do tempo e à condições agressivas, merecem atenção especial quanto aos prazos para inspeção mencionados no item anterior, que podem ser reduzidos em razão do estado em que o extintor se apresentar;
  • Não permita que pessoas e empresas não habilitadas inspecionem seu extintor. Em caso de dúvida, ligue para a Ouvidoria do Inmetro – 0800 285-1818 ou para os Institutos de Pesos e Medidas do seu estado (esta lista está disponível na primeira página deste site);
  • Exija, da empresa que fará a manutenção, extintores substitutos para deixar no local, garantindo sua segurança e a do seu patrimônio e, também, a ordem de serviço devidamente preenchida e assinada pelo técnico responsável. Assim como a relação das peças trocadas;
  • Indicador de pressão: todos os extintores que possuem esse indicador devem ser verificados se o mesmo está na posição correta, com o ponteiro na área verde, e
    O extintor não deve apresentar sinais de ferrugem ou amassados.

Informações sobre tipos de extintor

Extintor com água pressurizada

  • É indicado para incêndios de classe A (madeira, papel, tecido, materiais sólidos em geral).
  • A água age por resfriamento e abafamento, dependendo da maneira como é aplicada.

Extintor com gás carbônico

  • Indicado para incêndios de classe C (equipamento elétrico energizado), por não ser condutor de eletricidade. Pode ser usado também em incêndios de classes A e B.

Extintor com pó químico seco

  • Indicado para incêndio de classe B (líquido inflamáveis). Age por abafamento. Pode ser usado também em incêndios de classes A e C.

Não use água

  • Em fogo de classe C (material elétrico energizado), porque a água é boa condutora de eletricidade, podendo aumentar o incêndio.
  • Em produtos químicos, tais como pó de alumínio, magnésio, carbonato de potássio, pois com a água reagem de forma violenta.

Recomendações

  • Conheça os locais onde estão instalados os extintores e outros equipamentos de proteção contra fogo.
  • Nunca obstrua o acesso aos extintores.
  • Não retire lacres, etiquetas ou selos colocados no corpo dos extintores.
  • Não mexa nos extintores de incêndio e hidrantes, a menos que seja necessária a sua utilização ou revisão periódica.

Classe “A” – São os que se verificam em materiais fibrosos ou sólidos, que formam brasas ou deixam resíduos. São os incêndios em madeira, papel, tecidos, borracha e na maioria dos plásticos.

Classe “B” – São os que se verificam em líquidos inflamáveis (óleo, querosene, gasolina, tintas, álcool, etc.) e também em graxas e gases inflamáveis.

Classe “C” – São os que se verificam em equipamentos elétricos e instalações, enquanto a energia elétrica estiver alimentada.

Classe “D” – São os que se verificam em metais (magnésio, titânio e lítio)


Fonte: Inmetro